Comentário fílmico – The idea had been growing in my brain.

O regresso mentalmente perturbado de um ex-combatente de guerra à sua cidade. Uma situação comum. Scorcese decide reformular. Taxi Driver. O mesmo regresso, de um ex-marine do Vietname, numa cidade americana dos anos 70. Um panorama tão ou mais caótico que a própria guerra.Quando a luta no Vietnam “acaba” apenas “começa”. Travis, jovem, possui aspirações… Continue reading Comentário fílmico – The idea had been growing in my brain.

Here is a man who could not take it anymore.

Esboço inicial _______________________________________________________________   O regresso mentalmente perturbado de um ex-combatente de guerra à sua cidade. Uma situação comum. Scorcese decide reformular. Taxi Driver. O mesmo regresso mas de um ex-marine do Vietname, numa cidade americana dos anos 70, um panorama tão ou mais caótico que a própria guerra. Quando a luta no Vietnam “acaba”… Continue reading Here is a man who could not take it anymore.

Forecasting – Giuseppe Chico / Barbara Matijevic

A performance que fui assistir este sábado ao Teatro Maria de Matos, destaca, de modo muito interessante e inesperado, o que pode ser a relação corpo virtual e físico – um corpo duplo, ponto de passagem dos dois mundos, que é ele-mesmo e outras pessoas, pois estando aqui, connosco, está  simultaneamente noutros lugares (do passado… Continue reading Forecasting – Giuseppe Chico / Barbara Matijevic

Lost messages

Qual a razão que nos leva a querer comunicar? Mesmo sabendo que existem inúmeras barreiras relativamente à comunicação do que pensamos e no que efectivamente, chega a esse outro lado – seja pelo pelo contexto cultural ou mesmo pelo background pessoal. A nossa actividade como designers, as àreas tão diversas nas quais podemos operar –… Continue reading Lost messages

Evento – Agora, por favor, (i)repetível

O que é o design sem o jovem que questiona a sua prática? Sem nós de momento. E se a juventude não é repetível em nós próprios, ao menos que persista o acto de colocar a questão! Se reflectirmos melhor, o que é o design sem o sobrolho franzido? Lembro-me perfeitamente daquela aula de filosofia… Continue reading Evento – Agora, por favor, (i)repetível

Missing People

Além da leitura mais evidente do filme de Trefault – Farenheit 451 – que  recorre à metáfora de queimar o livro – muitas vezes simbolo de regeneração, irreversível… –  numa crítica à saída da sociedade do homem tipográfico para a entrada da era do homem do futuro. Algo que não se sabia ao certo o que seria, mas… Continue reading Missing People

Farenheit 451

Apesar de “451 Fahrenheit” ser realizado em 1953 e ser considerado um filme de ficção utópica, conseguiu antever o tempo e uma sociedade, tal como McLuhan, que consideramos ser contemporânea. Esta sociedade desenvolvida em torno da electricidade adquire características próprias do seu funcionamento. A rotina dos cidadãos que coexiste com este meio (“The medium is… Continue reading Farenheit 451